Categoria: artigos

  • 0

Amigo verdadeiro

Amigo verdadeiro é aquele que te leva para próximo de Deus.

Eclesiástico 6,5-17;

5.Uma boa palavra multiplica os amigos e apazigua os inimigos; a linguagem elegante do homem virtuoso é uma opulência.
6.Dá-te bem com muitos, mas escolhe para conselheiro um entre mil.
7.Se adquirires um amigo, adquire-o na provação, não confies nele tão depressa.
8.Pois há amigos em certas horas que deixarão de o ser no dia da aflição.
9.Há amigo que se torna inimigo, e há amigo que desvendará ódios, querelas e disputas;
10.há amigo que só o é para a mesa, e que deixará de o ser no dia da desgraça.
11.Se teu amigo for constante, ele te será como um igual, e agirá livremente com os de tua casa.
12.Se se rebaixa em tua presença e se retrai diante de ti, terás aí, na união dos corações, uma excelente amizade.
13.Separa-te daqueles que são teus inimigos, e fica de sobreaviso diante de teus amigos.
14.Um amigo fiel é uma poderosa proteção: quem o achou, descobriu um tesouro.
15.Nada é comparável a um amigo fiel, o ouro e a prata não merecem ser postos em paralelo com a sinceridade de sua fé.
16.Um amigo fiel é um remédio de vida e imortalidade; quem teme ao Senhor, achará esse amigo.
17.Quem teme ao Senhor terá também uma excelente amizade, pois seu amigo lhe será semelhante.

amigo_verdadeiroGostaria de começar com uma frase de São João Paulo II, que diz: “Não tenhais medo, queridos jovens, dos relacionamentos humanos, do acolher a vida do outro e do construir laços duradouros. É Cristo mesmo que nos ama através dos nossos verdadeiros amigos”.

O verdadeiro amigo é aquele que nem está sempre conosco, fisicamente do nosso lado , mas está principalmente nos momentos de necessidade. Por isso que está escrito para o adquirirmos na provação. Porque é nela que percebemos quem está verdadeiramente conosco.

A amizade é uma relação afetiva que envolve o conhecimento mútuo e afeição além da lealdade.

E somos convidados a sermos esse amigo que a bíblia nos cita. Precisamos estar sempre com os nossos amigos, principalmente nos momentos em que eles estão desanimados, tristes, em momento difícil. Pois só assim demonstraremos o nosso amor por eles. E quem ama o seu amigo, ama o Senhor.

Uma das palavras mais doces que se conhece é precisamente a palavra amigo. Nós, cristãos, gostamos de nos chamar de irmãos. O Eclesiástico, no trecho hoje proclamado, tece considerações a respeito da amizade. Destaquemos algumas de suas observações:

● Multiplicamos amigos quando usamos de palavra amena, doce, carinhosa. Uma língua afável multiplica as saudações. Fazemos relacionamento. Tecemos laços, mas nem sempre sólidos de verdade. As amizades precisam ser trabalhadas e alimentadas.

● Passamos perto de muitos. Convivemos com colegas de trabalho, com membros de nossa família, com vizinhos. “Sejam numerosos os que te saúdam, mas teus conselheiros um entre mil”. Os íntimos não podem ser numerosos. Há um tempo de maturação da amizade. Aliás, a verdadeira amizade nasce da provação, lembra o Eclesiástico.

● “Se queres adquirir um amigo, adquire-o na provação; e não te apresses em confiar nele”.

● A experiência nos diz que há amizades interesseiras. Há pessoas que dizem nos estimar enquanto somos úteis para sua ascensão. Quando perdem o interesse egoísta, esquecem que diziam tanto nos amar. Há pessoas que se dizem amigas mas que abandonam o amigo na hora da aflição.

● Há amigos que mudam de opinião. Servem de confidências para destruir a boa fama daquele ao qual faziam declarações de amizade. Pensamos na figura de Judas. “Há amigo que é companheiro de mesa e que não persevera no dia da necessidade”.

● O Livro do Eclesiástico faz uma observação dura: “Afasta-te dos teus inimigos e toma cuidado com os teus amigos”.

● Pensamos nas amizades espirituais, dentro e fora da Igreja, companheiros de caminhada no seguimento de Cristo que partilham a vida, que leem juntos as páginas dos Evangelho, que juntos vão pelo mundo dizendo que o amor precisa ser amado. Amigos-irmãos ou irmãos-amigos? Talvez muito mais irmãos da mesma aventura da fé. Para tanto, eles precisam comer juntos o pão da convivência fraterna, carregar juntos a cruz, rir as mesma alegrias sob o olhar do Senhor.

● Os versículos que agora transcrevemos constituem talvez as palavras mais belas da Escritura a respeito da amizade. O autor sagrado defende a fidelidade do e ao amigo: “Ao amigo fiel não há nada que se compare, é um bem inestimável. Um amigo fiel é um bálsamo de vida; os que temem o Senhor vão encontrá-lo”.

● Há amizades que duram a vida toda. Elas começam nos bancos da escola, nas brincadeiras entre vizinhos, nas oficinas de uma fábrica. Os que se estimam se revelam, contam um com o outro, levam o fardo do amigo, provam seu bem querer na usura do tempo, comem juntos e juntos escutam a voz do Senhor.

● O verdadeiro amigo é um preciosíssimo tesouro.

Louve ao Senhor por ter esse tesouro: Amigo.

Categoria : artigos


  • 0

São Bento, saiba mais!

Hoje, 11 Julho comemoramos o dia de São Bento. Durante séculos, muitos cristãos têm usado a medalha do famoso exorcista São Bento na luta espiritual contra as forças do mal. A seguir, apresentam-se 7 coisas que se deve saber sobre este objeto especial que possui muita tradição e história.

1. A origem da medalha é incerta, mas foi usada desde os tempos antigos. No século XVII, durante um julgamento de bruxaria na Alemanha, algumas mulheres acusadas ??testemunharam que não tinham poder sobre A Abadia de Metten porque estava sob a proteção da cruz.

Quando se investigou, foram encontradas nas paredes do recinto várias cruzes pintadas, rodeadas por letras que agora se encontram nas medalhas. Posteriormente, foi encontrado um pergaminho com a imagem de São Bento e as palavras completas das letras.

Sao_bento2. A Medalha, como se conhece agora, é a do jubileu que foi emitida em 1880 pelo 14º centenário do nascimento do Santo e lançada exclusivamente pelo Abade Superior de Monte Cassino.

Com ela se pode obter a indulgência plenária na festa de São Bento (11 de julho), seguindo as condições habituais que a Igreja manda (confissão sacramental, comunhão eucarística e oração segundo as intenções do Sumo Pontífice).

3. Certa vez, tentaram envenenar São Bento (480-547). O Santo, como era seu costume, fez o sinal da cruz sobre o vidro e o objeto se quebrou em pedaços.

Em outra ocasião, um pássaro preto começou a voar ao seu redor. São Bento fez o sinal da cruz e teve então uma tentação carnal na imaginação. Quando estava quase vencido, ajudado pela graça, tirou a roupa e se jogou em uma moita de espinhos e cardos, ferindo seu corpo. Depois disso, nunca mais voltou a se ver perturbado daquela forma.

4. A Medalha de São Bento é um sacramental reconhecido pela Igreja com grande poder de exorcismo. Os sacramentais “são sinais sagrados por meio dos quais, imitando de algum modo os sacramentos, se significam e se obtêm, pela oração da Igreja, efeitos principalmente de ordem espiritual”.

“Por meio deles, dispõem-se os homens para a recepção do principal efeito dos sacramentos e são santificadas as várias circunstâncias da vida” (Catecismo, 1667).

5. A medalha tem na frente a imagem de São Bento com uma cruz na mão direita e o livro das Regras de seus religiosos na outra mão.

Ao lado do Santo se diz: “Crux Sancti Patris Benedicti” (cruz do Santo Pai Bento). Pode-se ver também um corvo e um cálice do qual sai uma serpente. De maneira circular, aparece a oração: “Eius in óbitu nostro preséntia muniamur” (Na hora da nossa morte sejamos protegidos pela sua presença), de modo a oração círculo aparece). Na parte inferior central se lê: “x. S. M. Cassino MDCCCLXXX” (Do Santo Monte Cassino 1880).

6. No verso está a cruz de São Bento com as letras:

C.S.P.B. – “Cruz do Santo Pai Bento”.

C.S.S.M.L. – “A cruz sagrada seja minha luz” (na haste vertical da cruz).

N.D.S.M.D. – “Não seja o dragão meu guia” (na haste horizontal da cruz).

Em um círculo, começando no canto superior direito:

PAX – “paz”.

V.R.S. – “Retira-te, satanás”

N.S.M.V. – “nunca me aconselhes coisas vãs”.

S.M.Q.L. – “É mau o que me ofereces”

I.V.B. – “bebe tu mesmo os teus venenos”.

7. A medalha deve ser abençoada por um sacerdote com a oração especial apresentada a seguir:

– O nosso auxílio está no nome do Senhor

– Que fez o céu e a terra.

– Exorcizo-te, Medalha, por Deus Pai + onipotente, que fez o céu e a terra, o mar e tudo o que contêm.

Todas as forças malignas e todos os exércitos diabólicos, com todos os seus poderes e persuasões sejam afugentados e extirpados por meio da fé e do uso desta Medalha, a fim de que todos os que a usam tenham saúde de corpo e de espírito: Em nome do Pai + e do Filho + e do Espírito Santo +. Amém.

– Ouvi, Senhor, a minha oração.

– E chegue a vós o meu clamor.

– O Senhor esteja convosco,

– E com o teu espírito.

Pai Nosso…

Oremos: Deus eterno e todo-poderoso, pela intercessão de Nosso Pai São Bento, vos suplicamos: seja esta Sacra Medalha com suas inscrições e caracteres abençoada por Vós +, a fim de que seus portadores, movidos pela fé, possam realizar boas obras, obter santidade de corpo e de alma, receber a graça da santificação e as indulgências concedidas, ter o vosso auxílio para afugentar o maligno com suas fraudes e ciladas e um dia comparecer à vossa presença santos e imaculados. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Que a vossa bênção, Deus Pai onipotente +, Filho e Espírito Santo, desça sobre esta Medalha e sobre quem a utiliza, e permaneça para sempre.

Categoria : artigos


  • 0

Pai, perdoe nossas faltas e nos ensine a perdoar

A oração do Pai-Nosso é um convite para que nosso coração aprenda a perdoar e pedir perdão

A Palavra meditada está em São Mateus 6,9-15:
“Vós, portanto, orai assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, como no céu, assim também na terra. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos que nos devem. E não nos introduzas em tentação, mas livra-nos do Maligno. De fato, se vós perdoardes aos outros as suas faltas, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. Mas, se vós não perdoardes aos outros, vosso Pai também não perdoará as vossas faltas.”

Que a Palavra da Salvação, que é viva e eficaz, adentre nosso coração e nos traga libertação e transformação. Ao lermos esse trecho do Evangelho de São Mateus, não fiquemos apenas na beleza das palavras, mas a coloquemos em prática.

JesusO Pai-Nosso é a oração que Jesus nos ensinou, para que possamos nos dirigir a Deus. Somos tendenciosos ao pecado e, por isso, Jesus nos ensina a rogar ao Pai, para que Ele transforme nossa vida. São quatro favores que encontramos nesse trecho de São Mateus.

Perdoai as nossas dívidas

Perdoar não é fácil, é um exercício diário. Assim como educamos nosso corpo a fazer uma atividade física ou até mesmo a se reeducar na alimentação, eduquemos nosso espírito para o perdão.

Todos os dias, peçamos perdão a Deus. Reconheçamos nossas fraquezas e tudo o que nos leva a pecar; peçamos perdão ao Senhor por nossas ofensas. A melhor forma de combater a tendência ao mal é, primeiramente, reconhecermo-nos pecadores e limitados.

Somos “endividados” com Deus e nossos irmãos, pois, a todo tempo, pecamos e magoamos o Senhor e aqueles que convivem conosco. Reconhecendo-nos pecadores, trabalhemos em nós o perdão.

Perdoai assim como nós perdoamos aos que nos devem

Será que realmente perdoamos a quem nos deve? Peçamos perdão e também perdoemos. Não apenas da boca para fora, mas que essa seja uma ação que se prolongue pela vida. Não conseguiremos viver o perdão se não o praticarmos todos os dias.

Não nos introduzas em tentação

A falta de perdão é uma tentação. O maligno quer que tenhamos um coração rancoroso e vingativo. Desmascaremos o inimigo.

Reconheçamos que ofendemos a Deus e Lhe peçamos o perdão. Não tenhamos medo de olhar para nosso coração e interior e ser mais humanos, amorosos, “mais gente”.  A vingança desumaniza o coração dos filhos de Deus.

Livra-nos do maligno

Se nos abrimos a pedir perdão, o maligno não tem poder para nos desanimar e nos tirar da presença do Senhor.  Quando olhamos para dentro de nós, temos um choque, porque tocamos em nossa fragilidade.

Olhemos com compaixão para a miséria do outro. É no coração que tudo se faz e desfaz. Um coração que se entrega ao Espírito Santo transforma sua ofensa em intercessão. O perdão dá o testemunho de que em nosso mundo o amor é mais forte que o pecado.

O perdão é uma via que vai e volta. Neste Ano da Misericórdia, não paremos apenas no devocionismo à Divina Misericórdia, mas que ela seja vivenciada em nossa vida.  Que o Senhor nos livre da tentação de não querermos perdoar e das artimanhas do maligno.

Antonieta Sales
Missionária da Comunidade Canção Nova

Categoria : artigos


  • 0

Jornada Mundial da Juventude 2016

jmj_cracovia_2016Jovens da Imaculada Conceição rumo à JMJ 2016

Chegamos à reta final. Faltam menos de 20 dias para que os jovens da paróquia Imaculada Conceição, de Sobradinho, embarquem rumo a Cracóvia, na Polônia, sede da XXXI Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que ocorrerá entre os dias 26 e 31 de julho.

Essa cidade é um lugar muito especial. Além de ser historicamente rica e bonita, Cracóvia é a cidade de São João Paulo II e de Santa Faustina Kowalska, os santos da misericórdia e patronos dessa Jornada, que terá como lema: “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia.” (Mt 5, 7).

A primeira Jornada Mundial da Juventude foi realizada há trinta anos, por uma iniciativa do então papa João Paulo II. A primeira JMJ, como são tradicionalmente conhecidas, teve sede em Roma, em março de 1986, e tinha o lema: “Estejam sempre preparados para responder a qualquer pessoa que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês”.

Aqui iniciou-se a nova experiência das JMJ, as quais seriam realizadas a cada dois ou três anos. Seus números são surpreendentes. Em Manila, Filipinas, no ano de 1995, foram contabilizadas 4 milhões de pessoas, a maior da história. E, na última Jornada, no Rio de Janeiro, foram 3,7 milhões de pessoas.

A paróquia Imaculada Conceição sempre teve uma especial preocupação com os seus jovens e sempre os incentivou e colaborou com as JMJ. A primeira participação da Paróquia na JMJ foi em Denver, nos Estados Unidos, no ano de 1993. A partir desse ano, o número de jovens participantes aumentou e as Jornadas sempre tiveram representantes da Imaculada Conceição de Sobradinho.

Na última Jornada, no Rio de Janeiro, em 2013, levamos o maior número: 250 jovens. Foi uma jornada que marcou os jovens da paróquia, da qual muitos estavam participando pela primeira vez.

Neste ano, levaremos um grupo de 32 pessoas à JMJ de Cracóvia. Acompanhando o grupo, haverá dois casais, o bispo de Formosa, e ex-pároco da Imaculada Conceição, Dom Ronaldo, e o nosso atual pároco, padre Manuel. Antes de embarcar a Cracóvia, os jovens da paróquia tiveram que percorrer um longo caminho de trabalhos e dificuldades. No início, o grupo era bem maior, mas, com a alta dos preços e a proximidade da Jornada, muitos desistiram. No entanto, a paróquia está levando um grupo muito persistente, que teve de ter muita disposição e trabalho para conseguir angariar fundos para irem à Jornada.

O trabalho começou em 2013, no término da Jornada do Rio de Janeiro, e, desde esse ano, os jovens vêm desenvolvendo atividades dentro e fora da paróquia em prol da Jornada. Eles começaram a vender lanches depois das missas, o que não foi suficiente.

Então, arranjaram outros meios: vendiam din-din, bombons e brigadeiros pelas ruas, nos colégios, faculdades e trabalhos, e faziam camisetas estilizadas da Jornada. Além disso, promoveram festa com música sertaneja e moda de viola e uma feijoada.

Com a colaboração da família, da comunidade paroquial e de outras pessoas, esses jovens poderão ter um encontro pessoal com Jesus Cristo nessa Jornada e poder escutar uma palavra de consolo e conversão do Papa Francisco. Além, é claro, das outras experiências que eles poderão ter durante essa peregrinação rumo a Cracóvia.

A Jornada, para os 32 representantes da Imaculada Conceição de Sobradinho, durará 12 dias, começará no dia 24 de julho e terminará no dia 04 de agosto, data de retorno ao Brasil. Antes de desembarcar em Cracóvia, sede do encontro, o grupo passará pela Alemanha e República Checa. Na Polônia, terão a oportunidade de conhecer o Santuário da Divina Misericórdia, o ex-campo de concentração e extermínio de Auschwitz e o Santuário de Jasna Gora, em Czestochowa, além de participarem da programação oficial da JMJ. O encerramento será no dia 31 de julho, com a missa presidida pelo Papa Francisco, no Campus Misericordiae.

Sabendo que, nessa Jornada Mundial da Juventude, teremos um pedacinho de Sobradinho em Cracóvia, rezemos por estes jovens que irão ao encontro de Jesus Cristo e do Papa Francisco, para que Deus os proteja durante viajem e na Jornada. E também para que possam voltar com novas experiências de Cristo e da Igreja e ser, para a paróquia da Imaculada Conceição e para todo o mundo, instrumentos da misericórdia de Deus e portadores da chama do amor misericordioso de Cristo.

Seminarista Mateus da Costa dos Santos

Categoria : artigos


  • 0

10 dicas para a paz interior

10 dicas para alcançar a paz interior em Deus

Estamos em uma época de muita agitação e intranquilidade. Essa tendência muito evidente no dia-a-dia, se manifesta também na vida espiritual: nossa busca de Deus, da santidade e do serviço ao próximo costuma ser agitada e angustiada ao invés de confiada e serena, como aquela atitude das crianças que nos pede Jesus.  Como alcançar a paz interior, aquela que vem de Deus? 

lago1. ESTAR SEMPRE TRANQUILO,   ASSIM A GRAÇA ATUA MELHOR

Imaginemos a seguinte imagem: um lago onde está brilhando um lindo sol.  Quanto mais serena e tranquila estiver a superfície do lago mais perfeitamente se refletirá a luz do sol. E que linda paisagem podemos contemplar!
Algo semelhante acontece com nossa alma: quanto mais tranquila está, mais Deus se reflete nela, maior é a ação da sua graça: “O Senhor dará fortaleza ao seu povo, o Senhor abençoará o seu povo com a paz” (Sl 29,11).

2 –  MANTER A PAZ NA LUTA

Qualquer que seja a intensidade da batalha, nos esforcemos por manter a paz de coração e deixar que o Deus dos exércitos lute por nós. Se fico intranquilo, terei a ilusão de que Deus me abandonou e de que não consigo suportar. Acabo caindo e deixando de confiar em Deus nas minhas lutas.
Mas é justamente na luta que Deus está mais atuando, me sustentando com seu braço poderoso. Dê mais espaço para que Deus e Maria lutem contigo e verá a diferença!

3. FAZER TUDO COM BOA VONTADE

É aquela atitude do humilde, que diz em seu coração: Senhor fiz tudo o que pude, agora está em suas mãos! É aquele que mantém inabalável o seu amor a Deus, aconteça o que acontecer, esteja onde estiver.
Se fazemos tudo com amor e boa vontade, podemos ficar em paz:  Deus multiplica os nossos cinco pães e dois peixes.

4.  CONFIAR NA PROVIDÊNCIA DIVINA  QUANDO ESTOU PREOCUPADO

Quando algo te preocupa a melhor solução é apoiar-se totalmente em Deus, com uma confiança plena nEle, pois o “Pai do céu que sabe que tendes necessidade de todas essas coisas. ” (Mt 6,32)
Confiar na providência divina não quer dizer esperar que tudo caia do céu. Jesus quer que eu faça todo o necessário para o meu sustento e da minha família. O que Ele quer é nos livrar das preocupações que nos atormentam e nos fazem perder a paz. (Ver Mt 11, 28-30)

5.  QUANDO FALTA A CONFIANÇA,ESPERAR EM DEUS

Talvez desconfiemos porque ainda não tenhamos experimentado essa ação da Providência Divina com toda a sua força ou porque provavelmente tenhamos esquecido como o Pai nos ama.
Quanto a isso só há um remédio: fazer a experiência de confiar novamente em Deus e dar espaço para que Ele manifeste a força do seu poder. “Deus nos dá na medida em que esperamos dEle”, dizia São Francisco de Sales.

6. DEIXAR-ME AMAR POR DEUS QUANDO  ESTOU COM MEDO E SOFRENDO

Deus é bom e poderoso para utilizar a nosso favor todo o sofrimento, por absurdo e inútil que pareça. Somos convidados, como cristãos, a “esperar contra toda esperança” (Rm 4,18) e a seguir avançando com o olhar fixo em Deus, que nos dará a força para superar este momento:
“Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a fome, a nudez, os perigos, a espada? […] em tudo isto somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou. ” (Rm 8, 35.37) “Deus coopera em tudo para o bem daqueles que o amam” (Rm 8,28).

7 –  QUANDO SOFREM OS NOSSOS IRMÃOS: LEVAR TRANQUILIDADE E CONFORTO

Fico imaginando como deve se sentir um pai ou uma mãe quando um de seus filhos passa necessidade ou algum sofrimento, como uma doença. Esse é um sentimento muito bonito, que tem o fundamento no amor.
Só que não deve nos levar ao desespero e tirar a nossa paz interior. Se isso acontece, não passará de uma falsa compaixão. Com a certeza de que o Senhor não nos abandona jamais, levemos paz e conforto aos que sofrem.

8.   SER PACIENTE COM AS MINHAS  LIMITAÇÕES E PECADOS

O que mais deseja o demônio é que desanimemos e percamos a paz quando caímos. Ele quer que continuemos no chão. Quer que percamos a esperança e a confiança na misericórdia de Deus.
O primeiro passo é com muita humildade e paciência reconhecer a falta. Em seguida levantar-me, pedir perdão a Deus (especialmente no sacramento da reconciliação) e continuar andando. Conduzido pelo Espírito Santo e pela mão de Maria, pouco a pouco a graça de Deus vai me transformando…

9.  SER PACIENTE COM OS DEFEITOS E DEFICIÊNCIAS DO MEU IRMÃO

Partindo da minha experiência pessoal de pecador constantemente perdoado, busco atuar com o meu irmão como Deus atua comigo.
Isso significa não corrigir, ser condizente com a falta do outro? De forma alguma! Corrigir, mas com humildade, paciência e misericórdia.

10.  MANTER A SERENIDADE NA HORA DE TOMAR DECISÕES

Tomar decisões é sempre difícil, ainda mais quando não temos as coisas tão claras. O medo de errar nos assombra. Nesta hora é fundamental estar em paz e muito confiado em Deus, pedindo-o o discernimento espiritual.  E se tomo uma decisão errada? O que aceita os seus erros com humildade cresce e manifesta um grande amor a Deus.  A santidade pouco tem a ver com o perfeccionismo…

Categoria : artigos


Cadastre o seu email