Categoria: formações

  • 0

Como superar a depressão?

Existem meios eficazes para superar a depressão

Hoje, há uma forte tendência ao aparecimento da depressão e muitos são os fatores que causam essa patologia. Em qualquer caso, faz-se necessária uma ajuda terapêutica; há situações em  que é necessária a ajuda de medicamentos.

Depressão é um sintoma do nosso tempo. Pode ser que ela sempre tenha existido, contudo, recebia outros nomes e diagnósticos.

Não nos cabe aqui apresentar um relato clínico da depressão. Essa tarefa cabe a um profissional da área médica. Contudo, gostaria de conversar com você sobre a depressão a partir de uma perspectiva espiritual. É preciso deixar claro que não pretendo dizer ou afirmar que a causa do processo depressivo seja a área espiritual, mas a espiritualidade pode colaborar no processo de tratamento dessa doença.

Em que a espiritualidade influencia a nossa vida?

Somos um todo. Sabemos que o ser humano não é visto mais como um ser fragmentado. Tudo aquilo que vivenciamos produz em nosso ser uma resposta positiva ou negativa. Nesse totalitário que somos, a espiritualidade está inserida. A maneira como a vivenciamos afeta todo o nosso ser e, consequentemente, nossa vida. A fé dá sentido à nossa existência. Hoje, o ser humano tem sede de uma vivência espiritual profunda em sua vida.

Na maioria dos casos, quando alguém diz que está com depressão e é questionado sobre a sua vivência espiritual, essa pessoa diz: “Não tenho nenhuma vivência espiritual”, “Não participo de nenhuma Igreja”, “Faz muito tempo que não faço orações”, “Não tenho nenhum relacionamento com Deus”. Essas respostas são seguidas das seguintes afirmações: “Estou sentido um vazio em meu coração”, “Minha vida não tem sentido”, “Não consigo sentir Deus perto de mim”, “Ninguém gosta de mim”, “Queria morrer, porque não faria falta para ninguém”. Outras afirmações ainda presentes: “Não consigo me amar” e “Não deveria ter nascido”.

Não quero afirmar que essas respostas e afirmações de quem passa por um momento depressivo seja a causa da depressão. A raiz pode estar em outros setores da vida, os quais podemos comentar em outra ocasião.

Qual a ligação entre depressão e espiritualidade

Esse vazio interior, alegado por um grande número de pessoas depressivas, pode ser desencadeado por inúmeros fatores. Do ponto de vista espiritual, o vazio interior pode ser ocasionado pela falta da presença de Deus. E quando me refiro a essa “falta”, não estou afirmando que o Senhor não esteja junto da pessoa. Ele está sempre conosco, mas nós estamos sempre com Ele? Essa é uma grande questão espiritual que necessita de uma resposta clara e verdadeira de quem enfrenta um quadro depressivo.

A importância da intimidade com Deus

A oração abre nossa alma para percebermos a presença de Deus em nossa vida. A participação na vida de comunidade nos coloca em contato com outras pessoas que se unem a nós, para que, juntos, nos alimentemos do Pão da Palavra e da Eucaristia. A Eucaristia, o próprio Cristo, devolve-nos o sentido da vida. O relacionamento com o Senhor só é despertado em nós quando tomamos consciência de que somente Ele pode preencher o vazio que carregamos em nosso coração. Santo Agostinho já afirmava: “Fizeste-nos para ti e inquieto está nosso coração enquanto não repousa em ti”.

Superar o processo depressivo depende, em grande parte, da pessoa que sofre essa patologia. No entanto, a espiritualidade é uma forte aliada neste processo de superação. Afinal, no todo que somos Cristo está presente.

Padre Marcelo, que se considera curado, dá cinco lições para você não cair nas armadilhas da depressão e superá-la se ela já o atormenta. Confira!

1 “Café da manhã, almoço e jantar são sagrados, procure evitar comer sozinho. Coma sempre com a família, amigos, e nunca assistindo à televisão, pois assim acaba comendo errado.”

2 “Busque a oração individual em solidão (não isolamento) e na igreja.”

3 “Faça ginástica. Caminhe rápido por pelo menos 45 minutos. Isso provoca a liberação do hormônio do bem-estar, a endorfina. É melhor do que comer chocolate, porque não engorda.”

4 “Você tem que ter um tempo para viajar de férias por pelo menos 15 dias por ano, e sem sentir culpa. Só no décimo dia é que a gente se desliga das preocupações rotineiras.”

5 “Não deixe de dormir pelo menos oito horas por noite. A falta de sono acaba com qualquer um.”

Fonte: Canção Nova com adaptações

Categoria : formações


  • 0

Perdoar deve ser um ato do coração

Perdoar nem sempre é fácil, principalmente quando a causa da ofensa abriu profundas feridas no coração

Muitos caminham pela vida com feridas abertas há muitas décadas, e buscam a cura para a cicatrização. No entanto, quando pensam que ela ocorreu, a ferida se abre novamente e causa dores maiores que no passado. Jesus nos diz que devemos perdoar o nosso irmão setenta vezes sete, ou seja, o perdão não tem limites para ser concedido. No entanto, nossa realidade humana, frágil e pecadora, insiste em deixar que a ofensa seja maior que o perdão. Tudo isso se deve à profundidade que a mágoa causou em nossa alma. Bom mesmo seria se conseguíssemos perdoar sempre e de coração.

O perdão é um processo que precisa de nossa ajuda para que possa ser concedido de maneira plena. As causas das mágoas podem ser várias e ocorrer nas mais diversas situações, desde uma palavra mal interpretada até uma carência profunda e sem consciência. Muitos são os motivos para que as feridas abertas demorem muito tempo para serem cicatrizadas.

Quanto mais remoemos, em nosso coração, a ofensa sofrida, maior será a dificuldade de perdoar. A mágoa, que é alimentada pelo nosso coração, não é benéfica para o nosso processo de cura interior. Pelo contrário, uma mágoa que é alimentada, constantemente, pelo sentimento de revolta aumenta as dores emocionais e dificulta a processo de cicatrização de uma ferida aberta.

O desejo de vingança é bastante comum em quem sofreu uma traição. O primeiro sentimento que surge no coração de quem passa por esse processo é: “Assim como fez comigo, também farei”. Esse sentimento é sempre prejudicial, porque nunca vamos resolver um problema usando das mesmas armas que feriram nossa alma. Guerra de sentimentos produz destruição em massa do amor. A solução para os conflitos não se busca na vingança, mas sim no diálogo sincero, maduro e humano.

A paciência da espera

Também não adianta falarmos para todo mundo e espalharmos aos quatro ventos a revolta que sentimos, se nunca temos a coragem de procurar quem nos ofendeu. Palavras de revolta, quando partilhadas com todos, podem aumentar os princípios de reconciliação. São muitas as situações em que o ser humano precisa de uma plateia que aplauda suas críticas para reforçar a autoestima de que o agressor não merece perdão.

No tumulto das emoções, toda busca de reconciliação e paz será infrutífera. É preciso cultivarmos a paciência da espera. Emoções à flor da pele nunca vão nos ajudar na busca da paz. O tempo é um precioso aliado para quem deseja fazer do perdão um ponto de partida para um novo recomeço. Espere até que as ondas da fúria possam ceder lugar à serenidade das águas de um lago.

Nunca deixe de orar pela situação que você enfrenta. A oração é o alimento da alma e a paz que acalma nossos sentimentos. Busque na oração o primeiro passo para a cura de suas mágoas. Coloque tudo o que você sente nas mãos de Deus e deixe que Ele transforme o negativo de suas emoções nas flores do perdão.

Fonte: Canção Nova

Categoria : formações


  • 0

Não se afaste de Deus!

Independente de nossos pecados, não nos afastemos de Deus!

A Palavra meditada está em I Samuel 12,20-25:
Samuel disse então ao povo: “Não tenhais medo! É verdade que cometestes um grande erro. Somente não vos afasteis do Senhor, mas servi-o de todo o coração. E não vos desvieis para entregar-vos a ídolos de nada, sem utilidade e incapazes de salvar, pois nada são. Certamente, o Senhor não se esquecerá do seu povo, em consideração a seu grande nome, pois o Senhor decidiu fazer de vós o seu povo. Quanto a mim, longe de mim que eu venha a pecar contra o Senhor deixando de orar por vós e de vos mostrar o caminho bom e reto. Temei somente ao Senhor e servi-o na verdade e de todo o coração, pois vistes as coisas grandiosas que realizou entre vós. Mas se perseverardes no mal, vós e o vosso rei perecereis”.

O pecado nos afasta de Deus, e à medida que ficamos longe d’Ele, o medo se apodera do nosso coração. Nossa ofensa ao Senhor foi grande? Não nos afastemos d’Ele, porque pecamos, mas, pelo contrário, coloquemo-nos a servi-lo de todo o coração.

Gênesis nos conta a história de Adão e Eva para compreendermos uma grande verdade, homem e mulher pecaram por sua escolha, e por vergonha de seu pecado se esconderam de Deus.

Servir ao Senhor de todo o coração

O maior erro que podemos ter nesta vida é fugirmos do Senhor. Não sabe viver quem não sabe rezar. Reza-se como se vive e vive-se como se reza. É pela oração que voltamos para Deus.

Vive mal quem tem o coração ruim. Não sabe viver quem não sabe rezar. Como é bom vermos mudança nas pessoas! Mas sem a oração a pessoa se deixa guiar pela vaidade, a qual não serve para nada.

A palavra vaidade significa vazio, e sem oração somos guiados pelo vazio. Coloquemos Deus no centro de nossa vida, para que não vivamos tristes ou sozinhos. Sem a oração não conseguimos dar boas coisas. O maligno é um estrategista e nos ataca por todos os lados.

Que posamos orar por aqueles que amamos. A oração é o momento que pedimos para Deus aquilo que nos falta. O Senhor é fiel e não permite que sejamos tentados acima de nossas forças. A tentação vem para nos desanimar.

Deus fará com que tenhamos tudo a nosso favor para suportar e vencer. A vontade de desistir está grande? Aguentemos firmes, pois somos do Senhor e Ele não se esquece de nós nem nos esquecerá.

Persevere em Deus

Com Deus podemos tudo, mas precisamos cooperar com Ele. Se Ele nos aponta um caminho e vamos para outro, de nada adianta declararmos que podemos tudo n’Aquele que nos fortalece, pois não estamos caminhando em Sua vontade. Se não nos unirmos a Deus, nossa vida se afundará.

Quem reza não é pego de surpresa pelo mal ou pelo inimigo. Escolher o mal é querer a derrota, o fracasso e a destruição. Perseverar no mal não se trata de cair no mal por descuido, mas sim por insistência de querer estar fazendo o mal.

O coração de pedra nos puxa para baixo. O que nos salvará do erro é não nos afastarmos do Senhor, pois Ele não se esquece de nós.

Márcio Mendes membro da Canção Nova

Categoria : formações


  • 0

Quem é o Espírito Santo ? Como ele atua na minha vida ?

Poucos dias antes da Festa de Pentecostes, o Papa dedicou a homilia da Missa na Casa Santa Marta ao Espírito Santo e explicou como atua em cada pessoa se de verdade lhe recebe.

O Papa comentou as leituras da liturgia do dia e disse que muitos dizem que “aprenderam no catecismo que o Espírito Santo está na Trindade e não sabem mais nada além disso”.

“O Espírito Santo é aquele que move a Igreja. É aquele que trabalha na Igreja, em nossos corações. Ele faz de cada cristão uma pessoa diferente da outra e de todos juntos faz a unidade.

“É aquele – continuou – que leva adiante, escancara as portas e convida a testemunhar Jesus”.

Francisco disse ainda: “É aquele que está em nós e nos ensina a olhar para o Pai e dizer-lhe: Pai. Ele nos liberta da condição de órfão para a qual o espírito do mundo quer nos conduzir”.

“O Espírito Santo é o protagonista da Igreja viva. É aquele que trabalha na Igreja”, frisou ainda Francisco. “Porém, há um perigo quando não vivemos isso, quando não estamos à altura dessa missão do Espírito Santo, a fé corre o risco de se reduzir a uma moral ou uma ética”.

Por isso, “não devemos nos deter em cumprir os mandamentos e nada mais. Isso pode ser feito, isso não; até aqui sim, até lá não! Dali se chega à casuística e a uma moral fria”.

O Papa advertiu então que o cristianismo “não é uma ética: é um encontro com Jesus Cristo”. E é o Espírito Santo “que leva a este encontro com Jesus Cristo”, acrescentou.

“Mas nós, em nossas vidas, temos em nossos corações o Espírito Santo como um ‘prisioneiro de luxo’: não deixamos que nos impulsione, não deixamos que nos movimente. Ele faz tudo, sabe tudo, sabe nos lembrar o que Jesus disse, sabe nos explicar as coisas de Jesus”.

E “somente uma coisa o Espírito Santo não sabe fazer: ‘cristãos de salão’. Ele não sabe fazer ‘cristãos virtuais’. Ele faz cristãos reais, Ele assume a vida real como ela é, com a profecia de ler os sinais dos tempos e assim nos levar avante”, advertiu o Pontífice.

“É o maior prisioneiro do nosso coração. Nós dizemos: é a terceira Pessoa da Trindade e acabamos ali”, denunciou.

Na homilia, assegurou que esta semana “será de reflexão sobre o que o Espírito Santo faz em ‘nossa” vida e perguntar-se se ele ‘nos’ ensinou o caminho da liberdade”.

O Espírito Santo, que habita em mim, “pede-me para sair: tenho medo? Como é a minha coragem, que o Espírito Santo me dá para sair de mim mesmo, para dar testemunho de Jesus?”. Inclusive: “Como está a minha paciência nas provações? Porque o Espírito Santo também dá a paciência”.

“Nesta semana de preparação para a Festa de Pentecostes pensemos: ‘Realmente acredito no Espírito Santo ou é para mim apenas uma palavra?’. E procuremos falar com Ele e dizer: ‘Eu sei que estás no meu coração, que estás no coração da Igreja, que levas adiante a Igreja, que fazes a unidade entre nós… falarmos todas essas coisas e pedir a graça de aprender, mas praticamente na minha vida, o que Ele faz. É a graça da docilidade para com Ele: ser dócil ao Espírito Santo”, concluiu.

Leitura comentada pelo Papa:

Primeira Leitura (At 19,1-8)

Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo atravessou as regiões montanhosas e chegou a Éfeso. Aí encontrou alguns discípulos e perguntou-lhes: “Vós recebestes o Espírito Santo quando abraçastes a fé? ” Eles responderam: “Nem sequer ouvimos dizer que existe o Espírito Santo! ”

Então Paulo perguntou: “Que batismo vós recebestes? ” Eles responderam: “O batismo de João”. Paulo disse-lhes: “João administrava um batismo de conversão, dizendo ao povo que acreditasse naquele que viria depois dele, isto é, em Jesus”. Tendo ouvido isso, eles foram batizados no nome do Senhor Jesus.

Paulo impôs-lhes as mãos e sobre eles desceu o Espírito Santo. Começaram então a falar em línguas e a profetizar. Ao todo, eram uns doze homens. Paulo foi então à sinagoga e, durante três meses, falava com toda convicção, discutindo e procurando convencer os ouvintes sobre o reino de Deus.

Fonte: ACI Digital

Categoria : formações


  • 0

Ser profeta e não perder a esperança

Precisamos assumir a nossa missão de profetizar em nome de Jesus, de trazer vida onde está a morte

Vamos partilhar a Palavra de Ezequiel 37,1-10, para nos dizer que precisamos ser profetas da Palavra de Deus e de seus milagres, viver sem perder a esperança.

A mão do Senhor desceu sobre mim. Ele me arrebatou em espírito e me colocou no meio de uma planície, que estava coberta de ossos. Ele fez-me circular em todos os sentidos no meio desses ossos numerosos que jaziam na superfície. Vi que estavam inteiramente secos. Disse-me o Senhor: filho do homem, poderiam esses ossos retornar à vida? Senhor Javé, respondi, só vós o sabeis. Ele disse-me então: Profere um oráculo sobre esses ossos. Ossos dessecados, dir-lhes-ás tu, escutai a palavra do Senhor: Eis o que vos declara o Senhor Javé: vou fazer reentrar em vós o sopro da vida para vos fazer reviver. Porei em vós músculos, farei vir carne sobre vós, cobrir-vos-ei de pele; depois farei entrar em vós o sopro da vida, a fim de que revivais. E sabereis assim que eu sou o Senhor. Profetizei, pois, assim como tinha recebido ordem. No momento em que comecei, um barulho se fez ouvir, em seguida um ruído ensurdecedor, enquanto os ossos se vinham unir aos outros. Prestando atenção, vi que se formavam sobre eles músculos, que nascia neles carne e que uma pele os recobria. Todavia, não tinham espírito. Profetiza ao espírito, disse-me o Senhor, profetiza, filho do homem, e dirige-te ao espírito: eis o que diz o Senhor Javé: vem, espírito, dos quatro cantos do céu, sopra sobre esses mortos para que revivam. Proferi o oráculo que ele me havia ditado, e daí a pouco o espírito penetrou neles. Retornando à vida, eles se levantaram sobre seus pés: um grande, um imenso exército.”

Nós estamos diante do profeta Ezequiel, um homem que foi dócil àquilo que hoje mais precisamos viver na nossa Igreja, que é sermos verdadeiros profetas. Precisamos ter coragem de profetizar na vida dos nossos irmãos e na nossa.

Na frente de Ezequiel tinha apenas ossos, não tinha vida, aparentemente esta visão é assustadora, ossos e silêncio, ali a morte era predominante e não havia esperança. Mas o profeta é convidado a andar em meio a esses ossos para comprovar que ali não tinha vida, somente ossos ressequidos. Esta visão é aplicada ao povo de Israel que estavam como cadáveres, porque era um povo que tinha vivido no exílio e precisava ser ressuscitado. O profeta precisava mostrar ao povo que a esperança não tinha morrido.

O problema da nossa humanidade é a falta de esperança, as pessoas a estão perdendo e perdendo a esperança se perde a fé e a alegria. Não estamos dizendo para vivermos só a glória, porque problemas sempre o teremos, mas precisamos ter esperança. Não perca a esperança e eu profetizo na sua vida, a partir de hoje uma vida nova e cheia de esperança.

O profeta foi fiel e dócil a Palavra de Deus e nós também precisamos ser dóceis, termos coragem de profetizar sobre as nossas casas. Então se na sua casa existe pessoas ressequidas, profetize Palavras de benção sobre esta pessoa, chega de palavras de maldição.

No combate que vivemos, o inimigo quer fazer-nos viver a covardia, o respeito humano, mas hoje, nesse tempo precisamos profetizar a verdade e recomeçar, não contemplando o passado, mas viver a esperança hoje. O grande problema é que muitas vezes estamos sentados e precisamos ir a luta, não podemos querer as coisas prontas.

Para que aqueles ossos ressuscitassem, foi preciso que profeta profetizasse sobre eles. Os seus problemas não vão acabar, mas basta que você peça o Espírito Santo e viva de verdade da fé, seja católico praticante e fervoroso.

Nós precisamos viver um profetismo fervoroso sim, não sem dificuldades. É mentiroso aquele que lhe oferecer um catolicismo sem sofrimento. Precisamos ser de Deus, profetizando, sendo dóceis a escuta da vontade do Senhor. Os barulhos e situações tem tentado calar a nossa voz.

Precisamos entrar em combate, e a nossa luta não é contra homens de carne, mas espiritual. E porque somos um povo que está se preparando para a segunda vinda do Senhor, então precisamos nos perguntar: Como estou vivendo a minha vida?

A nossa vida é uma passagem, uma páscoa, problemas sempre teremos, mas não significa que não teremos alegria, mas a nossa alegria definitiva está no céu. Para chegar lá é preciso enfrentar o bom combate. Chega de ficarmos calados.

Nós precisamos recomeçar, precisamos de vida nova, mas isso só vai acontecer se assumirmos Jesus Cristo 100%, porque os mornos serão vomitados. Precisamos ser quentes no Espírito Santo, e mesmo que os problemas vierem bater à nossa porta, vamos olhar para Deus Pai que nos deu o seu único Filho porque nos ama.

Em nome de Jesus eu profetizo sobre a sua vida hoje uma vida nova. Mas é preciso reagir, façamos a nossa parte. Queremos que Deus faça, mas é preciso que façamos a nossa parte, viver a esperança, a alegria e voltarmos a profetizar. As armas da nossa batalha é a oração, a Palavra de Deus, a Virgem Maria, a confissão e a Eucaristia. Com certeza estas armas nos darão a vitória. Por maior que seja o seu problema Deus é muito maior, basta que você viva esta esperança com determinação. Vamos a luta! Viver estas práticas de oração diária. Assuma a Palavra de Deus e tenha esperança.

Categoria : formações


Cadastre o seu email