Papa pede Igreja atenta às «necessidades dos irmãos»

  • 0

Papa pede Igreja atenta às «necessidades dos irmãos»

Francisco assinala festa da Divina Misericórdia, «pedra angular» da fé

Cidade do Vaticano, 23 abr 2017 (Ecclesia) – O Papa Francisco disse hoje no Vaticano que as comunidades católicas devem ser sensíveis às “necessidades dos irmãos”, com gestos de “partilha”, no dia em que se assinala a festa da Divina Misericórdia.

“A misericórdia aquece o coração e torna-o sensível às necessidades dos irmãos com a partilha e a atenção. A misericórdia leva todos a ser instrumentos de justiça, de reconciliação e de paz”, declarou, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, para a recitação da oração pascal do ‘Regina Coeli’.

A misericórdia, acrescentou, abre as “portas do coração” e aproxima as pessoas dos que estão sós e marginalizados, mostrando que “a violência, o rancor, a vingança não têm qualquer sentido”.

“A primeira vítima é quem vive destes sentimentos, porque se priva da sua própria dignidade”, alertou o Papa.

Francisco apresentou a misericórdia como “pedra angular” da vida de fé e como “forma concreta” de anunciar a ressurreição de Jesus, que se celebra na Páscoa.

A festa da Divina Misericórdia – celebrada anualmente no primeiro domingo depois da Páscoa – celebra-se desde o ano 2000, por iniciativa de São João Paulo II, inspirado na figura Santa Faustina Kowalska (1905-1938).

Francisco elogiou esta “bela intuição” do Papa polaco e recordou que o mesmo tema esteve no centro do último Jubileu extraordinário (dezembro 2015-novembro 2016).

Já após a oração do ‘Regina Coeli’, que no tempo pascal substitui o ângelus, o Papa recordou a beatificação mês este sábado, do sacerdote espanhol Luis Antonio Rosa Ormières, figura do século XIX que se distinguiu pelo seu serviço no campo da educação.

No final do encontro, Francisco agradeceu a todos os que lhe fizeram chegam mensagens com votos de Boa Páscoa.

Categoria : notícias


  • 0

10 dicas para a paz interior

10 dicas para alcançar a paz interior em Deus

Estamos em uma época de muita agitação e intranquilidade. Essa tendência muito evidente no dia-a-dia, se manifesta também na vida espiritual: nossa busca de Deus, da santidade e do serviço ao próximo costuma ser agitada e angustiada ao invés de confiada e serena, como aquela atitude das crianças que nos pede Jesus.  Como alcançar a paz interior, aquela que vem de Deus? 

lago1. ESTAR SEMPRE TRANQUILO,   ASSIM A GRAÇA ATUA MELHOR

Imaginemos a seguinte imagem: um lago onde está brilhando um lindo sol.  Quanto mais serena e tranquila estiver a superfície do lago mais perfeitamente se refletirá a luz do sol. E que linda paisagem podemos contemplar!
Algo semelhante acontece com nossa alma: quanto mais tranquila está, mais Deus se reflete nela, maior é a ação da sua graça: “O Senhor dará fortaleza ao seu povo, o Senhor abençoará o seu povo com a paz” (Sl 29,11).

2 –  MANTER A PAZ NA LUTA

Qualquer que seja a intensidade da batalha, nos esforcemos por manter a paz de coração e deixar que o Deus dos exércitos lute por nós. Se fico intranquilo, terei a ilusão de que Deus me abandonou e de que não consigo suportar. Acabo caindo e deixando de confiar em Deus nas minhas lutas.
Mas é justamente na luta que Deus está mais atuando, me sustentando com seu braço poderoso. Dê mais espaço para que Deus e Maria lutem contigo e verá a diferença!

3. FAZER TUDO COM BOA VONTADE

É aquela atitude do humilde, que diz em seu coração: Senhor fiz tudo o que pude, agora está em suas mãos! É aquele que mantém inabalável o seu amor a Deus, aconteça o que acontecer, esteja onde estiver.
Se fazemos tudo com amor e boa vontade, podemos ficar em paz:  Deus multiplica os nossos cinco pães e dois peixes.

4.  CONFIAR NA PROVIDÊNCIA DIVINA  QUANDO ESTOU PREOCUPADO

Quando algo te preocupa a melhor solução é apoiar-se totalmente em Deus, com uma confiança plena nEle, pois o “Pai do céu que sabe que tendes necessidade de todas essas coisas. ” (Mt 6,32)
Confiar na providência divina não quer dizer esperar que tudo caia do céu. Jesus quer que eu faça todo o necessário para o meu sustento e da minha família. O que Ele quer é nos livrar das preocupações que nos atormentam e nos fazem perder a paz. (Ver Mt 11, 28-30)

5.  QUANDO FALTA A CONFIANÇA,ESPERAR EM DEUS

Talvez desconfiemos porque ainda não tenhamos experimentado essa ação da Providência Divina com toda a sua força ou porque provavelmente tenhamos esquecido como o Pai nos ama.
Quanto a isso só há um remédio: fazer a experiência de confiar novamente em Deus e dar espaço para que Ele manifeste a força do seu poder. “Deus nos dá na medida em que esperamos dEle”, dizia São Francisco de Sales.

6. DEIXAR-ME AMAR POR DEUS QUANDO  ESTOU COM MEDO E SOFRENDO

Deus é bom e poderoso para utilizar a nosso favor todo o sofrimento, por absurdo e inútil que pareça. Somos convidados, como cristãos, a “esperar contra toda esperança” (Rm 4,18) e a seguir avançando com o olhar fixo em Deus, que nos dará a força para superar este momento:
“Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a fome, a nudez, os perigos, a espada? […] em tudo isto somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou. ” (Rm 8, 35.37) “Deus coopera em tudo para o bem daqueles que o amam” (Rm 8,28).

7 –  QUANDO SOFREM OS NOSSOS IRMÃOS: LEVAR TRANQUILIDADE E CONFORTO

Fico imaginando como deve se sentir um pai ou uma mãe quando um de seus filhos passa necessidade ou algum sofrimento, como uma doença. Esse é um sentimento muito bonito, que tem o fundamento no amor.
Só que não deve nos levar ao desespero e tirar a nossa paz interior. Se isso acontece, não passará de uma falsa compaixão. Com a certeza de que o Senhor não nos abandona jamais, levemos paz e conforto aos que sofrem.

8.   SER PACIENTE COM AS MINHAS  LIMITAÇÕES E PECADOS

O que mais deseja o demônio é que desanimemos e percamos a paz quando caímos. Ele quer que continuemos no chão. Quer que percamos a esperança e a confiança na misericórdia de Deus.
O primeiro passo é com muita humildade e paciência reconhecer a falta. Em seguida levantar-me, pedir perdão a Deus (especialmente no sacramento da reconciliação) e continuar andando. Conduzido pelo Espírito Santo e pela mão de Maria, pouco a pouco a graça de Deus vai me transformando…

9.  SER PACIENTE COM OS DEFEITOS E DEFICIÊNCIAS DO MEU IRMÃO

Partindo da minha experiência pessoal de pecador constantemente perdoado, busco atuar com o meu irmão como Deus atua comigo.
Isso significa não corrigir, ser condizente com a falta do outro? De forma alguma! Corrigir, mas com humildade, paciência e misericórdia.

10.  MANTER A SERENIDADE NA HORA DE TOMAR DECISÕES

Tomar decisões é sempre difícil, ainda mais quando não temos as coisas tão claras. O medo de errar nos assombra. Nesta hora é fundamental estar em paz e muito confiado em Deus, pedindo-o o discernimento espiritual.  E se tomo uma decisão errada? O que aceita os seus erros com humildade cresce e manifesta um grande amor a Deus.  A santidade pouco tem a ver com o perfeccionismo…

Categoria : artigos


Cadastre o seu email